Exposição de Fotografia – O Carnaval em Côja ao Longo dos Anos

Data Inicial: 04-03-2019 17:00H
Data Final: 31-03-2019
Localidade: Côja

 

Exposição de Fotografia
O Carnaval em Côja ao Longo dos Anos
Biblioteca Alberto Martins de Carvalho – Côja
Abertura da exposição às 17h00 do dia 4 de março

Os festejos do Carnaval ou do Entrudo em Côja, perdem-se na noite dos tempos.

O que esta exposição pretende mostrar é simplesmente um conjunto de imagens recolhidas ao longo de mais de três décadas e que testemunham a capacidade artística demonstrada nos elementos decorativos que deram vida aos desfiles de carnaval. Registam a crítica que acompanha os desfiles e dá-nos pistas para os assuntos que mais preocupam as populações em cada ano e que servem de mote às brincadeiras de carnaval. Memorizam o envolvimento das populações que participam em grupo ou individualmente, ou simplesmente assistem aos desfiles.

O Carnaval de Côja foi ao longo dos anos adquirindo nomeada sendo cada vez mais procurado por foliões de outras freguesias que incorporam os seus carros no cortejo dando assim um contributo importante para o sucesso do Carnaval, que passou a ser designado “Carnaval Concelhio”

Dois grupos se destacam na organização do carnaval: o Grupo Mais Além, criado em 1980 e que a partir desse ano passa a ter um papel fundamental na organização do Carnaval em Coja, recebendo para isso o apoio da Câmara Municipal.

Em 1986 um grupo de rapazes da “chamada Alta”, como refere Nuno Mata no seu livro “Costumes e Tradições do Carnaval da Vila de Coja” organiza-se e cria os Castiços. Este grupo pretende encarnar a vertente mais ancestral da folia carnavalesca, o Entrudo. Em 1988 surge o primeiro jornal carnavalesco a que o grupo dá vida e que junta à palavra falada dos discursos do Entrudo, a palavra escrita, por vezes pouco pacífica nas duas versões.

O enterro do entrudo que encerra os festejos em cada ano é mais uma manifestação popular de que desconhecemos a origem. Em Coja o cortejo sai da alta, parando nas várias tascas que encontra pelo caminho onde se ouvem as “orações” do bispo, elemento essencial no cortejo. O ritual acaba com o enforcamento do entrudo a que é lançado fogo. Nos últimos anos os festejos do carnaval terminam com o lançamento de fogo-de-artifício lançado no rio, espectáculo muito apreciado pelos muitos forasteiros que nesse dia visitam a Vila de Côja.

Agradecemos a todos que tornaram possível este trabalho, disponibilizando fotografias que no conjunto formam a exposição.