Construção do Centro Municipal de Proteção Civil de Arganil já está em andamento

O Município de Arganil deu início, no dia 18 de abril, às obras de reabilitação do primeiro piso do edifício da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários Argus, tendo em vista a instalação do Centro Municipal de Proteção Civil de Arganil. O espaço encontra-se arrendado à autarquia por um prazo de 10 anos, renováveis por iguais períodos.

A intervenção tem um prazo de execução de cerca de 9 meses (270 dias) e, no seu todo, envolve um investimento superior a 300 mil euros, comparticipado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), no âmbito da Proteção Contra Risco de Incêndios. Cerca de 200 mil euros destinam-se à componente física do edifício, de construção civil, e o remanescente considera a vertente técnica, nomeadamente a aquisição e implementação de recursos tecnológicos e mobiliário específico e a remodelação das redes de infraestruturas.

“Em articulação com a Associação Humanitária dos Bombeiros [Argus] de Arganil, entendemos que a oportunidade proporcionada pelo financiamento do Centro 2020 não podia ser desperdiçada e decidimos rentabilizar um espaço que está a ser parcialmente utilizado”, refere Luís Paulo Costa, convicto de que “a instalação do CMPC vai dar uma reposta mais efetiva e mais ampla no que tem a ver com o sistema de proteção civil”.

As obras em curso vão permitir dotar o concelho de um espaço físico, provido de equipamentos e recursos tecnológicos para albergar e facilitar o exercício de funções por parte da Comissão Municipal de Proteção Civil nas suas competências de coordenação institucional, possibilitando a monitorização em permanência do território concelhio.

“Em 2017, o país e o concelho compreenderam da pior maneira as debilidades existentes no sistema de suporte às operações de proteção civil, e este equipamento vai permitir robustecer aquelas que são as nossas responsabilidades nesta área”, reconheceu Luís Paulo Costa, sublinhando que a “necessidade do equipamento no concelho justifica sobremaneira o investimento realizado”.

Recorde-se que as falhas do SIRESP (Sistema Integrado das Redes de Emergência e Segurança de Portugal) e dos restantes sistemas de comunicações deixaram o concelho em isolamento total durante os incêndios de outubro de 2017, quer para contactos com o exterior, quer com as entidades no local. A existência de sistemas de comunicações locais, redundantes e não dependentes da rede de energia elétrica no imediato, são determinantes para apoiar as operações de proteção e socorro.

O futuro Centro Municipal de Proteção Civil de Arganil, localizado no centro da vila, vai ser composto por uma sala de planeamento, uma sala operacional, um gabinete do chefe de sala, uma sala de crise, uma sala de descanso, instalações sanitárias, três quartos e uma cozinha.

 



Artigos Relacionados