Convento de Santo António, em Vila Cova do Alva classificado Monumento de Interesse Público

O Convento de Santo António, em Vila Cova do Alva foi classificado como Monumento de Interesse Público (MIP) pela Secretaria de Estado da Cultura. A portaria que confirma este estatuto foi publicada a 11 de dezembro em Diário da República.

De fundação setecentista, o convento de Santo António de Vila Cova de Alva foi edificado entre 1713 e 1723 e insere-se em termos religiosos na província da Imaculada Conceição, que resultou em 1706, da divisão da Província de Santo António em duas. As dependências conventuais estruturavam-se em função do claustro e em torno do qual se desenvolviam a igreja, a Sala do Capítulo e outras dependências de uso comum. O claustro, conserva a sobriedade original, apesar da adulteração do segundo registo, fechado por janelas.  A igreja, de planta cruciforme, conserva, no interior, o esplendor da talha dourada que caracterizou os espaços barrocos no nosso país, contrastando vivamente com a austeridade própria da Ordem, bem visível da arquitetura depurada do conjunto conventual. Tendo em conta a importância deste imóvel no contexto do património edificado do concelho e de acordo com as declarações do presidente da Câmara Municipal, Ricardo Pereira Alves: “esta classificação reconhece a importância do património e cria condições para a sua preservação de acordo com a sua traça original”.

Leia-se na portaria, que esta reconstituição dos espaços originais é, hoje, muito dificultada pelas intervenções de que o conjunto foi objeto após a extinção das ordens religiosas, em 1834 que o descaraterizaram profundamente. Ainda assim, o claustro, a Igreja e a Sala do Capítulo, mantém no geral a sua sobriedade original.

Além da classificação, a secretaria de Estado da Cultura fixou ainda uma zona especial de proteção do monumento (ZEP) que considera a relação do imóvel com a notável envolvente paisagística e “visa salvaguardar a existência de possíveis núcleos arqueológicos secundários, a integridade do contexto geológico, o enquadramento paisagístico do sítio e os pontos de vista que constituem a bacia visual na qual se integra”, segundo a portaria 885/2013 publicada no Diário da República, 2ª série, nº 40 de 11 de dezembro de 2013.

(Fotografias IGESPAR)

 

 



Artigos Relacionados