Filarmónica de Coja e Luis Portugal: um palco de estrelas na Cerâmica Arganilense

Numa prestação arrebatadora e memorável, a Filarmónica Progresso e Pátria Nova de Coja foi aplaudida de pé, no passado sábado, na Cerâmica Arganilense, num concerto que juntou os seus executantes à inconfundível voz de Luis Portugal (Jafumega) e à guitarra de Rui Vilhena (Vozes da Rádio).

Este feliz encontro entre estilos musicais tão diferentes mas que tão bem se fundiram e soaram, aconteceu no âmbito do projeto intermunicipal “Portas do Céu”, que une os Municípios de Arganil, Pampilhosa da Serra e Góis, no objetivo fundamental e comum da valorização do património material e imaterial do território, tirando partido do reconhecimento internacional Dark Sky Aldeias de Xisto, como destino “Starlight”, enquanto palco para a descoberta da astronomia num ambiente puro e de céu despoluído.

Neste caso particular ninguém olhou para o céu porque as estrelas estavam em palco. O público não só aplaudiu como também acompanhou, cantando fervorosamente, temas bem conhecidos como “Latina América” ou “Ribeira” que há muitos anos nos diz que “a ponte é uma passagem para a outra margem”. Nas palavras da Vice-Presidente que acreditamos resumir o sentimento comum de quem assistiu, a Filarmónica Progresso e Pátria Nova de Coja “esteve à altura dos melhores”.

No próximo dia 28 de maio, o projeto Portas do Céu regressa com mais um espetáculo, desta vez, sob o céu estrelado do santuário do Mont’Alto, para uma sessão de teatro ao luar. “Eudaimonia” é o nome da peça e o grupo de teatro TEIA, o responsável pela sua dramatização.



Artigos Relacionados