Município de Arganil investe 150 mil euros na reabilitação de arruamentos em Pomares

As ruas em calçada que compõem a avenida mais característica e histórica de Pomares preparam-se para ser alvo de reabilitação, acolhendo um investimento do Município de Arganil que ultrapassa os 150 mil euros. O anúncio foi feito pelo presidente da Câmara Municipal de Arganil, Luís Paulo Costa, durante a sessão de apresentação do projeto, que decorreu no Largo da Marquesa daquela sede de freguesia, na passada sexta-feira.

Os trabalhos previstos no projeto de execução incidem sobre a Rua Dom António Bourbom, Largo da Marquesa de Pomares e Rua Eng.º Horácio Moura, estendendo-se entre o cruzamento da EM 513 (“Pontão”) e a ponte sobre a Ribeira de Pomares (Praia Fluvial).

A obra considera a substituição de toda a calçada, permitindo a valorização de alguns dos espaços mais nobres da localidade, como o Largo da Marquesa (junto à Igreja Matriz) e o Largo da Capela da Nossa Senhora do Rosário. Está igualmente prevista a construção de uma bolsa de estacionamento entre o Centro de Dia e o Largo da Capela da Nossa Senhora do Rosário e de um passeio entre a referida Capela e a Ponte sobre a Ribeira de Pomares, permitindo o acesso pedonal à Praia Fluvial, comodamente e em segurança.

Preconizada na intervenção está também a remodelação do sistema de abastecimento de água, através da substituição das condutas da rede de distribuição, bem como a reabilitação da rede de drenagem de águas pluviais.

Diante de alguns dos moradores das ruas que se preparam para ser alvo de intervenção, o presidente da Câmara admitiu que, embora entendida por todos como necessária, a intervenção não estava nas prioridades estabelecidas no início do mandato autárquico. “As roturas recorrentes registadas na rede de distribuição daqueles arruamentos e os fortes apelos do presidente da Junta de Freguesia, Amândio Dinis, foram determinantes para antecipar a concretização da obra”, admitiu Luís Paulo Costa, enaltecendo a perseverança do autarca de Pomares na defesa dos interesses da sua freguesia e das pessoas que nela residem.

A intervenção tem um prazo de execução de 120 dias (4 meses) e encontra-se em fase de adjudicação, prevendo-se que tenha início ainda no decurso deste mês de junho.



Artigos Relacionados