“Um caixilho de guarnecer gerações”: peça de Mário Vitória emoldura aldeia de Piódão a partir dos socalcos

Ao visitar a aldeia de Piódão saiba que pode, desde o início do mês, apreciá-la emoldurada como que de um quadro se trate, a partir dos seus socalcos e da obra de arte ali implantada.

“Um caixilho de guarnecer gerações”, é assim o nome do trabalho assinado pelo artista arganilense Mário Vitória e que evoca as raízes desta aldeia num contraste com a contemporaneidade. Exaltando as linhas arredondadas da “fisionomia” dos socalcos e numa perfeita harmonia como se uma extensão dos mesmos fosse, este varandim com vista para o Piódão assume-se como um ponto privilegiado para apreciar os traços que distinguem o seu casario harmoniosamente integrado no cenário natural e, cada pedaço de história que a mantém um dos pontos mais turísticos e apreciados do concelho.

De base xistosa, ao alto como as árvores que a enquadram na montanha, esta peça de autor integra agora o espólio da aldeia, pretendendo dar a quem a visita um outro ponto de vista deste imóvel de interesse público, numa contemplação sem pressas.

Este monumento que é também uma ode à preservação das caraterísticas geomorfológicas únicas de uma das aldeias mais caraterísticas de Portugal é acessível a partir do centro da aldeia ou antes de nela entrar, descendo os socalcos que a confrontam.