Mercado de Natal voltou a animar o centro da vila de Arganil

A magia do Natal voltou a pairar sobre o centro da Vila de Arganil com a realização da 4ª edição do Mercado e Natal. Entre casinhas de venda de produtos endógenos e artesanais, foram quatro dias de animação constante quer para os mais pequenos, quer para os mais graúdos.

Ainda que as condições meteorológicas tenham pregado algumas partidas durante a sua realização, foi ainda assim possível levar a efeito as atividades e animações programadas, algumas com felizes improvisos como o foi, a atuação de Carla Bernardino. Com alguma humidade no ar esta atuação tornou-se ainda mais envolvente e mágica a partir do varandim do edifício da Câmara Municipal, que com toda a iluminação circundante se revelou um verdadeiro postal de Natal.

Transversal e diversificada, ainda que com apostas fortes na animação infantil, houve espaço para toda a gente na programação deste Mercado. Para tal e mais uma vez, pode contar-se com os fantásticos e já bem famosos Jogos do Hélder que, um tanto ou quanto desafiantes colocaram miúdos e graúdos à prova, numa amena competição que potenciou o contacto entre gerações. Também presente esteve o projeto Costurar Valores que durante o fim-de-semana ensinou não só adultos como crianças como serem criativos no Natal ensinando a confecionar os seus próprios embrulhos através da reciclagem de tecidos. O Pai Natal e o seu duende ajudante também não faltaram à chamada sendo constantemente requisitados pelos mais novos que insistentemente foram dizendo o quão bem se portaram este ano. Para que deste mercado levassem já uma prenda, a Kukus Kids foi incansável, qual fábrica de Natal, a desenvolver bonitas esculturas em balões e pinturas faciais à altura da época.

Passaram ainda pelo palco do Mercado de Natal, os Caracola, trio de caracóis cantores que animaram as visitas das escolas; a Casa da Criança de Arganil com a interpretação da música “Falalalala”, os AFAdixie grupo da Associação Filarmónica de Arganil; um conto de Natal com interpretação de Aurora Martins e Isabel Luzio ao redor da fogueira e muito participado pelos mais pequenos; o coro do Colégio Bissaya Barreto com bonitos cânticos de Natal; o grupo de catequese de Arganil, que interpretaram à fogueira alguns cânticos da quadra; o grupo de teatro TEIA da Associação CUME com uma abordagem interessante e inédita da visita ao menino Jesus; o Quinteto de Sopros – Ensaios da Noite, formação pertencente à Filarmónica Progresso e Pátria Nova de Coja; os alunos do Atelier de Piano, numa mostra do seu talento ao piano; a escola de dança da Associação E-Motion e, para aquecer um pouco ao som da sua música, os Não há 2 sem 3, banda de covers que não deixou ninguém parado, tal não foi a animação.

E porque o Natal é também feito de sabores, foram realizados alguns showcookings nos quais foram dadas algumas ideias para confecionar na consoada. O curso de cozinha/pastelaria do Instituto de Emprego e Formação Profissional de Arganil, ao comando do chef Nuno Ribeiro confecionou e deu a provar os tão típicos “Sonhos de Natal”. Uma delícia foi dizendo quem provou. Rosa Frias e Liliana Almeida trouxeram não uma mas duas receitas deliciosas, Broinhas de Batata e Bolo de Natal com os tradicionais frutos secos e cristalizados e, Rita Silva, com bolachinhas de manteiga amassadas e elaboradas com a preciosa ajuda das crianças. Entre amassar e comer, as bolachas acabadas de sair do forno não chegavam a arrefecer.

Ainda enquadrado neste evento esteve também estacionada a “Caravana dos Valores”, um recurso pedagógico móvel da Universidade dos Valores, que se materializa num espaço lúdico com jogos e atividades interativas para crianças e jovens e que pretende a reflexão específica dos valores no desporto. A vinda desta caravana inseriu-se no projeto “Inspira-te: O teu sucesso determina o teu futuro” no âmbito da Prevenção do Abandono Escolar e Promoção do Sucesso Educativo da Região de Coimbra e que ao longo do ano tem levado a crianças e pais inúmeras atividades e sessões pedagógicas.

Foram quatro dias mágicos vividos num cenário de fantasia, onde houve espaço para muita confraternização e convívio, para a partilha e companheirismo, símbolos que caraterizam a verdadeira essência do Natal e que nem a chuva que de vez em quando teimava em aparecer refreou.

 



Artigos Relacionados