Concelho de Arganil acolhe intervenção de reabilitação das margens do rio Ceira

 Foi celebrado no dia 9 de março o auto de consignação de uma intervenção de mais de 400 mil euros para reabilitar os ecossistemas ribeirinhos do rio Ceira. No concelho de Arganil, o projeto prevê a reabilitação da frente ribeirinha entre a localidade de Malhada e a ribeira de Adela, na União de Freguesias de Cepos e Teixeira, numa extensão de 6,2 km.

A sessão de formalização da consignação foi presidida por Luís Paulo Costa, vice-presidente da Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra e presidente da Câmara Municipal de Arganil.

“A plantação de espécies autóctones, como os amieiros, ajuda a conter as margens do rio e, ao mesmo tempo, amortecer a velocidade da água”, salientou o autarca durante a sessão. Para além da remoção de espécies invasoras, como as acácias, e plantação de outras, haverá também “soluções de engenharia natural” nas margens, recorrendo-se essencialmente à utilização de material resultante dos trabalhos de corte seletivo e poda de formação de árvores autóctones existentes nas áreas de intervenção.

Esta intervenção assume-se como um importante contributo para a monitorização e controlo do caudal do rio, permitindo também potenciar “a componente de visitação”, realçou Luís Paulo Costa.

Genericamente, a intervenção vai estender-se ao longo de cerca de 35 quilómetros do rio Ceira, abrangendo os municípios de Arganil, de Góis, da Lousã e de Pampilhosa da Serra, no âmbito do projeto “Gestão da Bacia do Rio Ceira face às Alterações Climáticas”.

Este projeto é promovido pela Agência Portuguesa do Ambiente, através da Administração da Região Hidrográfica do Centro, e tem como parceiros os quatro Municípios envolvidos, a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e a Direção Norueguesa de Proteção Civil, sendo financiado pelo Programa EEA Grants (Mecanismo Financeiro do Espaço Económico Europeu).



Artigos Relacionados