SESSÃO DE AVALIAÇÃO – 2.ª MOBILIDADE “IN EUROPE – Inclusão e Oportunidades para os Europeus de Arganil”

Os oito jovens arganilenses que frequentaram os estágios profissionais promovidos pelo Município de Arganil no âmbito do projecto “IN EUROPE – Inclusão e Oportunidades para os Europeus de Arganil”, co-financiado pelo Programa Leonardo da Vinci – Mobilidade de Pessoas, regressaram a Portugal no passado dia 17 de Dezembro, depois de cerca de três meses em Pádua (Itália) e em Praga (República Checa).

Neste âmbito, decorreu em 20 de Dezembro, na Câmara Municipal de Arganil, uma sessão de avaliação do projecto, que contou com a participação dos oito jovens e que teve como objectivo a partilha da experiência vivida e dos respectivos resultados face às expectativas iniciais.
De forma unânime os jovens consideraram que esta foi uma oportunidade única, que em muito contribuiu para o seu enriquecimento a nível pessoal, cultural e enquanto cidadãos europeus, assim como para a sua valorização profissional, havendo a expectativa de que esta experiência se constitua como uma mais-valia para a sua futura integração no mercado de trabalho.

Testemunhos
Senti-me a pessoa mais receosa e mais ansiosa com a partida para esta aventura e talvez agora seja das pessoas que mais gostou e que quer voltar.
Sobre Praga o que posso dizer? A cidade é lindíssima, não tem explicação a construção dos edifícios, a panóplia de cores e todo o conjunto diversificado de construções, é realmente estupenda!
Em relação ao estágio foi uma grande experiência profissional. Primeiro estive numa creche, depois estive no Hotel Boscolo (onde fiquei a maior parte do estágio) e todas as pessoas eram fantásticas, confiaram em mim desde o início para fazer um bom trabalho e mesmo não conseguindo falar checo nós comunicávamos, era fantástico!
Apesar de ter ficado encantada com Praga aproveitei para conhecer mais duas capitais de dois países próximos: Bratislava (Eslováquia) e Viena (Áustria) que são cidades muito bonitas também, mas não têm comparação a Praga.
Passados três meses, chega o dia da partida para Portugal ninguém consegue esconder a tristeza por deixar esta experiência para trás, tudo acabou no aeroporto.
Após estes três meses se me perguntarem se valeu a pena arriscar? É claro que valeu, repetiria se pudesse e recomendo a quem tenha esta oportunidade de ir e aproveitar tudo a 100%, porque eu já tive essa sorte!
Ana Soares (Praga)

Chamo-me Luís Nogueira e foi com muito prazer que realizei um estágio de três meses através do Programa Leonardo da Vinci (Projecto IN EUROPE) na cidade de Pádua, na região de Veneto, no Norte de Itália.
No início, estava um pouco receoso de enfrentar esta nova oportunidade, como pessoa que não abdica do que tem e gosta queria testar a minha capacidade de estar ausente de tudo o que me faz falta e ao mesmo tempo enriquecer-me de novidades do mais diverso tipo. Escolhi Itália, por vários fundamentos, primeiro por ser um sonho de anos passados, depois pela sua alguma ambiguidade na língua, pela sua gastronomia, pela sua arquitectura, pelo seu potencial e pela sua cultura…
Pádua é uma cidade magnífica, é uma cidade de estudantes, conheci muitas pessoas de vários países (italianas, húngaras, croatas, albanesas, espanholas, alemãs, argentinas, brasileiras e também portuguesas, continente e ilhas) participantes também de Leonardo ou de Erasmus, o que levou a uma percepção de várias culturas, para além da italiana. Línguas, aprendi para além do italiano, um pouco de espanhol, algumas palavras húngaras e aumentei em muito o meu nível de inglês. Diverti-me imenso, fiz muitas amizades, mas também aprendi muito como pessoa, cresci, amadureci, superei o meu “teste”, tornei-me mais independente, enfim, para além de ter feito universidade complementei-me a todos os níveis, facto de estar exposto a novas condicionantes.
Relativamente ao estágio em si, às vezes, nem sempre é aquilo que vocês esperam, mas garanto-vos que não perdem “vida” nele. Eu estagiei, na minha área (Engenharia Civil), no entanto, numa perspectiva não muito explorada academicamente (planeamento territorial e urbanístico na área de turismo a nível de parques naturais), mas aprendi muito, interagindo com os meus colegas de trabalho, partilhamos conhecimentos não comuns à formação de cada um, basicamente enriqueci lacunas não exploradas que serão com certeza úteis para o meu futuro profissional.
Itália, historicamente, arquitectonicamente falando, têm muitos locais de visita turística. Claro, com a facilidade de comunicação existente, com os diversos tipos de transportes públicos (trem, autocarros, comboios) houve possibilidade de visitar vários sítios de locais absolutamente lindíssimos, destaco Veneza (30 minutos de comboio), Florença, Pisa, Cortina (Belluno, montanhas) e Verona (casa de Julieta).
Como descrito, este Programa mudou a minha vida, aconselho a toda as pessoas a participarem, eu voltaria a participar se tivesse oportunidade e claro que um dia voltarei a este país.
Aproveitem, o programa é uma dádiva única e irrecusável, tem tanto a ganhar, desde a experiência profissional ao “turismo”, passando por tantos sectores essenciais que infelizmente nem todos têm acesso.
Luis Nogueira (Pádua)

{gallery}noticias/2011/dezembro/in{/gallery}



Artigos Relacionados