Ampliação e requalificação da ZI Relvinha beneficiam de 4,1 milhões de euros de fundos comunitários

A intervenção que o Município se encontra a levar a efeito na Zona Industrial da Relvinha, que abrange o Pólo Este e o Pólo Oeste  e cujo investimento global ascende aos 5,5 milhões de euros, vai beneficiar de uma comparticipação de fundos comunitários de 4,1 milhões de euros, registando-se um aumento de cerca de 2,6 milhões de euros em relação ao financiamento FEDER inicialmente previsto.

Este acréscimo do apoio FEDER, concedido através do Programa Operacional Regional CENTRO2020, decorreu do processo de reprogramação física e financeira da candidatura que o Município de Arganil desencadeou recentemente. Luís Paulo Costa, presidente da Câmara Municipal, afirma trata-se de uma excelente notícia para o concelho, considerando a estratégia de desenvolvimento económico que a autarquia tem definida para o território.

“Graças a esta reprogramação da candidatura, na qual trabalhámos afincadamente, conseguiremos concretizar um investimento com um esforço financeiro muito abaixo do que estava inicialmente considerado, permitindo ao município redirecionar esse esforço para outros investimentos importantes e que são muito pretendidos e necessários no concelho”, sublinhou.

A reprogramação surgiu da necessidade de adequar a candidatura em conformidade com as exigências impostas pelo Plano de Pormenor e pelo processo de Estudo de Impacte Ambiental e procedimento de Avaliação de Impacte Ambiental a que o Pólo Industrial da Relvinha Oeste teve que ser sujeito, por imposição legal.

Após esta intervenção, o Pólo Industrial da Relvinha Oeste terá disponíveis 23 novos lotes para instalação de atividades económicas e empresariais (indústrias, armazéns, logística, comércio, serviços complementares), operações de gestão de resíduos, equipamentos de uso público e infraestruturas de apoio). Estes lotes vão ficar já preparados para receber as empresas que ali se pretendam vir a instalar, quer ao nível das cotas de terreno, quer das redes de infraestruturas de uso coletivo, designadamente redes de drenagem, gás, eletricidade, telecomunicações (ITUR), águas e saneamento, assim como ao nível das infraestruturas viárias e dos equipamentos de sinalização e segurança.

Relembre-se que a empreitada de Qualificação do Polo Industrial da Relvinha Este, destinada à reabilitação e modernização da rede viária e das infraestruturas existentes, se encontra em curso desde janeiro deste ano. Já a intervenção que contempla a ampliação do Polo Industrial da Relvinha Oeste aguarda visto do Tribunal de Contas para ter início.



Artigos Relacionados